sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Trabalho digno

Sim, falei para Dona Mari que ia, e vou. Vou tranquilo, estou tranquilo, ficarei tranquilo. Ai, que vontade de fumar um cigarro... pena que eu não fumo. Tá chegando, acho que vou descer nessa parada, ando duas esquinas, repenso se quero isso mesmo. Droga, ele queimou a parada. Merda. Ok, eu não vou descer, não sou obrigado mesmo. Isso vai me dar um trabalho desnecessário. Mas porque eu já estou de pé e puxando essa merda de cordinha? Fudeu, desci.

- Olá. Boa tarde. Ahn... o Sr. Eduardo.

- Um minuto. Seu Edúúúú, mais um.

- Manda entrar, já vou.

(Suei)

- Entraí. Seu Edú já tá vindo. Qué um suco, uma água?.

- Tem suco de quê?

- Laranja. (Oba!). Com vodca. (Adoro!).

- Não, obrigado.

- Certeza? Sempre é bom dar uma bicadada.

- Não, já disse. Você pode me deixar sozinho, sim? Preciso me concentrar, e eu não bebo em serviço, a coisa pode sair... distorcida.

- Tá bom.

Nossa mãe, que quadros horrendos. Esse apartamento fede. Muito medo. Eu tinha merda de urubú na cabeça quando escolhi essa área.

- Olá, moço bonito.

- Err... oi... beleza, véio?

- Tudo de boa, mas não me trate como se eu tivesse a sua idade, isso me faz sentir mal.

- Ok.

- Vamos para o quarto, sim. Não posso demorar muito com isso.

E fomos. Vocês certamente desejariam ser mosquinhas voyeur para ver a loucura que foi naquele quarto. Pêlos e suor espalhados pelo chão. Um serviço como nunca antes foi visto. Bem feito, um trabalho excepcional. Senti orgulho da minha profissão ao ver o estado de glória daquele homem. Ninguém nunca havia entendido aquele corpo como eu entendi, em cada centímetro, cada dobrinha.

- Quanto é?

- 300 reais.

- Pago com gosto. Foi o melhor até hoje.

- Por favor, indique naos amigos.

- Dona Mariana sempre tem os melhores profissionais, juro que tremi na base quando ela me disse que era um homem, você sabe...

- Seeei. Relaxa, fico feliz que tenha apreciado o trabalho. E, por favor, indique. Não esqueça, meu nome é Loshawer.

- Pode deixar. Até breve.

- Breve? Oh, não. É satisfação grantida por semanas.

- Certo, certo. Até.

- Até.

Fui-me. Depois desse eu preciso de uma semana de férias, pelo menos.

- Gelda, trabalho maravilhoso.

- Tô vendo, seu Edú. Tá lisinho. Agora ele podia ter limpado aquele quarto, né? Porra, vai ser uma semana pra terminar com aquilo.

- Ah Gelda, cala a boca.

Ursos definitivamente não deveriam se depilar.

Um comentário:

Samantha Ranny disse...

auhauhauhauhua! muuuuito bom! adorei mesmo! o blog também é ótimo. parabéns!