quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Tetris, perseverança

É tarde demais. Eu estava no palco, dançando com o pedestal enquanto os backvocals cantavam uuuuu, mas um balde de tinta amarela desceu sobre mim. O balde estava lacrado. Mas era pesado, e veio com toda a força na minha cabeça.

-Sabe, eu estava pensando.

-O quê?

-Às vezes o destino parece implacável, né?

-Como assim.

-As vezes parece que é cruel, injusto... as vezes, parece que tudo é manipulado por um grande palhaço malvado, que faz tudo somente pra brincar com a gente, com os nossos sentimentos... e rir da nossa cara depois.

-Um dia, eu vou saltar de dentro de um sete de copas, e vou furar o olho desse maldito CORINGA!

-Calma, calma. Muitas vezes, esse coringa também é manipulado pelo destino, que é um coringa maior e mais complexo. Veja bem. Quando passamos por momentos muito difíceis, nossas vidas têm a oportunidade de crescer em sabedoria.

-Eu ainda prefiro cortar as mãos desse idiota.

-Existem certas ocasiões que provocam desilusões violentas e cardíacas. Mas, quando se apaga a luz, o escuro pode ser a oportunidade de sentir o lugar onde você está de outra forma.

De certo modo, a esperança é um alimento que merece estar na dispensa. Mas não no meu prato de comida brasileiro.

2 comentários:

psicofonico disse...

As vezes tudo parece planejado mesmo... E tem dias que nada dá certo.
Mto legal o texto da Dercy abaixo! Risos.
Abração!

Larissa disse...

Parece mesmo, muitas vezes. Sempre penso, quando algo de ruim acontece, que tem algum risinho ecoando no Universo... Por sinal, adorei o título, Haroldo.
Inté!


http://jardimdainsanidade.wordpress.com