quinta-feira, 7 de maio de 2009

Membros pragmáticos

Por Delianne Lima

Preocupação versus saudade dionisíaca. O elo entre ela e ele, ele e ela. Violinos, vinhos. Desencantos, sentimentos. Peitos na batida frenética e documental. Palavras ditas ao nada e, ao nada, retornadas. Descompassadas, descobiçadas. Transtorno, dispersão.

Garganta contornando a voz irritada em forma de gritos e gracejos perturbados. Plug in me, baby. Forget me, baby. Don’t ask me, baby. ‘Cause I just wanna listen your voice, baby.

Omissões de omissões da mais amada das mentirosas. Tudo errado, falso, é o que nos prende. Elos diabólicos, algemas desgraçadas. Dente cravado na terra não se tira. Sorriso disfarçado de olhar apaixonado. Mentira. Abraço cálido, garras nas costas. Traição. Beijo envolvente de espingardas. Acidez instantânea. Um segundo, prisão eterna.

Lembrança sem memórias verdadeiras. Histórias, imaginação. Distância sem resposta imediata. Imediatismo sem palavras. Incomunicável. Dor, dolorosa, dorsal. Saliente. Cervejas na beira de um bar na esquina da escuridão. Me deixe sozinha. Sozinha, só. Me deixa só. Moscas esverdeadas de solidão inimaginável. Preto, escuro da alma. Negritude. Coração carimbado.

3 comentários:

marzzia disse...

o paragrafo final é o melhor. absurdamente lindo.
(aquela que total se identificou né? hahahaa)

nique. disse...

o ser humano é uma confusão só, dá gosto de ser assim. belo texto xD
negritude.

Déborah Rodrigues disse...

"Distância sem resposta imediata. Imediatismo sem palavras. "

É sempre assim!